quarta-feira, fevereiro 27, 2013

Animais "perigosos " na Nova Zelândia...

Andava há alguns tempos a adiar este post, mas a notícia da morte de um banhista na Nova Zelândia atacado por um tubarão fez-me escrever este post.

Enviaram-me há pouco uma notícia que passou em Portugal. O curioso nestas notícias é que nunca passam a informação toda, e em vez de informar, acabam por fazer o oposto. Para quem quiser ler a notícia (em inglês), aqui fica a mesma notícia na Nova Zelândia.

Ao longo dos últimos meses já perdi a conta (mesmo) ao número de pessoas que me falaram do risco que tinha em vir para um país com "tamanha quantidades de animais perigosos" (como aranhas gigantes, cobras e afins) que a Nova Zelândia tinha. Mas a realidade é que aqui não há um único animal perigoso em terra, e no mar esta morte que aconteceu hoje foi a segunda em 35 anos. Nas notícias que passaram (sobre o incidente de hoje) algumas pessoas não se acreditaram imediatamente que seria um tubarão a atacar, tão raro isto é.

A Nova Zelândia é uma ilha com um eco-sistema que era originalmente formado por pouco mais que plantas e pássaros. Com a chegada dos Ingleses, chegaram também novos animais, como é o caso das (milhares de) ovelhas, vacas e outros animais domésticos.
Mas ninguém trouxe crocodilos, tigres, escorpiões, cobras e aranhas venenosas, logo estes animais pura e simplesmente não existem DE TODO em nenhuma das ilha. E o mar, ao contrário do que também me disseram, não está infestado por alforrecas.

Podemos fazer caminhadas sem nos preocuparmos com ataques de cobras, venenosas ou não, e as aranhas domésticas que temos não são dignas de nenhum "Aracnofobia".

Todos estes mitos surgem por causa da vizinha Austrália (aí sim a história é muito diferente), mas é sempre bom lembrar que estamos a mais de 3.000km de tudo isso.

Na realidade os dois animais mais perigosos que encontro aqui são: os coelhos (já sei que em Portugal também dizem que são perigosos por outras razões) e os kea's:

Os coelhos (que aproveito para dizer que são gigantes) porque são uma praga e aparecem no meio da estrada vindos do meio do nada (e ou atropela-se ou ainda se bate para desviar - já me desviei de uns quantos e apanhei uns sustos a meio da noite).

Os  Keas são pássaros parecidos com os papagaios, super inteligentes e que infelizmente não usam a sua inteligência para tornar o mundo um lugar melhor. Gostam particularmente de roubar coisas aos humanos e de destruir as borrachas dos carros estacionados. Já tive dois a olharem muito para o meu carro (eles só aparecem nas montanhas) e admito que fiquei um bom bocado a vigia-los. A fama deles não é por acaso... e no Inverno, quando for para esquiar tenho de descobrir como os afastar do carro.

Kea
Por falar em animais. O animal que mais representa a Nova Zelândia (e para não se confundir com os cangurus ou koalas da Austrália) é o Kiwi, que é um pássaro em extinção que só existe aqui.

Para as pessoas de cá este animal é tão representativo que a palavra Neozelandês  pura e simples não se usa para se referir aos habitantes de cá. São simplesmente os Kiwi's. Isto é "oficial" ao ponto dos próprios noticiários o fazerem. Os cães são proibidos em zonas onde existam Kiwi's, pois são seus predadores e é uma forma de os proteger.

Kiwi... o pássaro...

As bandeiras rumo ao sul...

Nestes últimos dias já estava a ficar curioso com o número de empresas com o nome de "Southern Cross" um pouco por todo lado aqui e resolvi fazer o meu trabalho de casa.


"Southern Cross" é a constelação que chamamos "Cruzeiro do Sul" e que no hemisfério sul tem uma importância similar à Ursa Maior no hemisfério Norte (embora não sejam opostas). É a constelação que "mais brilha no céu" e que ajuda a encontrar o sul.

Na Nova Zelândia a sua importância é tal que a constelação está representada na bandeira ao lado da Union Jack (que fica no canto superior esquerdo da bandeira).

Mas a Nova Zelândia não é o único país onde esta constelação está representada na bandeira. Vários países a tem, incluindo a vizinha Austrália (cujo a bandeira é mesmo muito parecida) e o Brasil, o nosso "país irmão". (há mais países que tem)

A parte curiosa nisto é que a bandeira da Nova Zelândia é diferente da Australiana (ou do Brasil) porque na Nova Zelândia não se vêem todas as estrelas desta constelação como se pode ver por exemplo da Austrália, e por isso a constelação é só representada por quatro estrelas na bandeira.

Bandeira da Nova Zelândia
Bandeira da Austrália
Bandeira do Brasil

E depois de uma semana a aprender uma pouco sobre bandeiras do hemisfério sul deparo-me com algo muito curioso. Estava a pesquisar sobre a cidade de Ceuta quando reparei na bandeira desta cidade autónoma que pertence à Espanha.

Bandeira de Ceuta
Com o brasão de Portugal (monarca) ao centro e as cores de fundo de Lisboa a razão é que esta cidade (caso não se lembrem da história) pertenceu a Portugal. Quando Portugal caiu no dominio Espanhol (com os Filipe's) Ceuta também caiu, mas quando lutamos pela nossa independência Ceuta ficou do lado Espanhol. Com a independência de Portugal, assinado no Tratado de Lisboa, Ceuta pertenceria a Portugal, mas visto a influência Espanhola já ser muito grande nesta cidade ela ficou Espanhola mantendo o Brasão e Bandeira Portuguesa... até hoje.

domingo, fevereiro 24, 2013

Comida Portuguesa na Nova Zelândia...

Quando falamos de comida Portuguesa aqui na Nova Zelândia todos são bastante experts no assunto e conhecem o nosso famoso "frango piri-piri".

Claro que eu não fazia ideia ao que se estavam a referir, mas ao que parece há em diversos países pelo mundo uma cadeia de fast-food (da mesma forma que existe o McDonalds ou a Pizza Hut) de "comida Portuguesa". Esta cadeia tem especial força na África do Sul, Austrália e, claro está, Nova Zelândia.

A minha ideia, pelo que me descreviam, era que não tinha nada a haver com a nossa comida, mas hoje lá arranjamos uma oportunidade e fomos a um dos dois restaurantes da cadeia Nando's que há em Christchurch para experimentar a comida.

Conclusão: pelo que percebemos tem um conjunto de comidas que não tem exactamente a haver com Portugal, como por exemplo da "Paelha Portuguesa" (ok, nós cozinhamos paelha, mas esta é claramente Espanhola) ou as Pitas (de Portugal ao Médio Oriente ou Grécia ainda vai um bom bocado).  Mas de facto tem dois pratos (que são a imagem de marca deste franchising, pelo menos isso) que de facto encontramos em Portugal um pouco por todo lado: o Frango no Churrasco picante e as Espetadas. Tem uma opção com um piri-piri bastante picante (mais do que aquele que usamos), mas sim, é uma versão comercial em massa das nossas churrasqueiras. Claro que eles nunca vão conseguir entrar no mercado Português (espero eu), porque fica a milhas das nossas verdadeiras churrasqueiras, mas para Inglês ver (e comer) aceita-se como Português.

Curioso é a quantidade de símbolos Portugueses que os restaurantes tem. Um bocado adulterados, é verdade, mas sem dúvida que se vendem como Portugueses...

Aqui ficam as fotos de um dos restaurantes de Christchurch:




Já agora, "Haere Mai" quer dizer "Bem-Vindo" em Maori, a segunda língua oficial da Nova Zelândia... só para o caso de pensarem que eram eles a fazer-se passar por Portugueses nessa frase também.


A 10 minutos de casa...

Quando não se conhece o que está ao lado de casa é fantástico o que se consegue descobrir mesmo ao lado da nossa porta.

Ontem numa "volta" para ver o que temos na nossa vizinhança (de vez em quando tem que se dar uma voltas aleatórias para se conhecer) descobrimos estes "dois quadros" a 10 minutos de distância de casa.

Vista sobre Christchurch das colinas de Cashemere. 
Vista para as diversas baías na cratera do antigo vulcão.

sexta-feira, fevereiro 22, 2013

Efeito Borboleta... e a força de Christchurch...

Para quem não sabe, o efeito borboleta é uma parte da teoria do caos que diz que as coisas estão todas relacionadas entre si (versão extremamente resumida... podem ler mais aqui). Chama-se assim porque foi dito que "o bater de asas de uma borboleta no Brasil poderia causar um tornado nos EUA".

Sendo assim, há exactamente dois anos atrás a nossa vida mudou radicalmente.
O terramoto em Christchurch, que destruiu grande parte da cidade aconteceu há precisamente dois anos, e embora na altura nem tenhamos reparado muito (apesar de ser bastante noticiado) esse terramoto mudou completamente as nossas vidas. Por causa dele muitas pessoas perderam a vida, mas também muitas mudaram as suas (onde nos incluímos nós que viemos viver para esta cidade, por causa das oportunidades que surgiram).

A cidade renasce aos poucos assim como a nossa vida recomeça num lugar completamente diferente no mundo.

De tudo que vi e que vejo, só posso dizer que as pessoas de Christchurch são inacreditavelmente fortes. Ver uma cidade renascer da destruição é qualquer coisa que não se explica. Porque as dificuldades foram muitas e algumas ainda cá estão, e as pessoas continuam a lutar pelo que é seu. Somos pouco mais que observadores desta força deles, mas não podia deixar de escrever um pouco sobre isto.

Hoje, dois anos depois do terramoto, a cidade presta a sua homenagem com flores um pouco por todo lado... ainda com anos de trabalho pela frente, com símbolos destruídos, mas com a força que devemos ter para seguir em frente na vida.

Estou a adorar cada segundo desta cidade forte, magnífica e bela (e do país de uma forma geral)... e embora não seja perfeita (como nunca encontrei nenhum lugar que o fosse) é sem dúvida um lugar no qual vale mesmo a pena viver. Espero que o futuro assim o confirme.

Ficam as fotos que tirei hoje, dia 22 de Fevereiro de 2013... 2 anos depois...

Com uma cidade em obras as homenagens ficaram um pouco por todo lado.
Rua em frente à nossa casa, onde todos os cones tinham flores
Edifícios que ainda vão ser totalmente demolidos (são todos os que estão na foto)...
O imponente edifício da Polícia vai ser o próximo da lista a cair...
A Catedral Anglicana que era o símbolo máximo da cidade...  (como era antes
Flores que não deixam esquecer.
Catedral Católica como está hoje... (ver como era antes)
Local do edifício da CTV (Caterbury Television) onde morreram grande parte das pessoas no terramoto.
Para perdurar  na memória. Foi um dia estranho de se visitar hoje.
Lembranças daqueles que ficaram...

Assim vale a pena...

Ontem... pneu de trás com um furo... (um parafuso enorme espetou-se no pneu, ficou lá espetado mas não esvaziou).

Hoje, a caminho do trabalho, páro numa oficina de pneus e deixo lá o carro (sem perguntar preço da reparação). Duas horas depois vou lá buscar o carro. Serviço totalmente de graça: Era uma oficina oficial da marca dos meus pneus (que eu nem tinha reparado, só queria era não ficar no meio da rua a ter de substituir os pneus porque não são pequenos e é uma trabalheira) e a marca dá garantia contra este tipo de coisas.

Duplamente satisfeito, com o pneu, porque aguentou um parafuso enorme lá espetado e bem espetado... e não ter de pagar nada pela reparação. Já agora, a marca é a Bridgstone...

Assim vale a pena...

sexta-feira, fevereiro 15, 2013

Harlem Shake... e o mundo está mesmo perdido...

Há uns meses atrás, escrevi que o mundo estava perdido (enquanto falava no Gangnan Style).

Mas acho que nada me preparava para o que vinha a seguir.
Agora tenho a certeza que o mundo está mesmo perdido, e a culpa é da Internet...

Porque digo isto?
No dia 2 deste mês de Fevereiro (portanto, há 14 dias atrás) um grupo que gosta de fazer brincadeiras na net fez upload deste video e escreveu: "Façam o Harlem Shake"...


Até aí é normal... muitas maluqueiras por aí...
O problema é que é a Internet... e houve mesmo quem o fizesse. A ideia passou a ser começar uma pessoa a dançar, sozinha,  sem ninguém ligar para ela, mas quando a música atinge o seu clímax, tudo muda:


E não foram só dois ou três... em 14 dias a coisa tornou-se viral. Este é o resultado só nestes dias no Youtube de videos publicados em que as pessoas estão a fazer o mesmo (e o número de visualizações para estes vídeos já vai nos milhões):

 E agora há para todos os gostos:


Mas não foram só particulares a fazer isto. Empresas (VÁRIAS) tem o sem próprio Harlem Shake online. Inclusive algumas internacionais.
Até chegou aos noticiários:


Mas se ainda não perceberam o conceito, e acham que são só miúdos a brincar, vejam as imensas compilações que há na net:


O mundo está mesmo perdido... mas ao menos não vai acabar por falta de humor. (por muito estranho que seja)

terça-feira, fevereiro 12, 2013

33ºC de Hanmer Springs

A 135km a norte de Christchurch fica a vila de Hanmer Springs que, para além da paisagem fantástica, tem como grande atracção as piscinas de água aquecida e termas naturais.

São várias piscinas para todos os gostos e temperaturas, incluindo escorregas (como se fosse um parque aquático), para além do SPA.

Aproveitando os mais de 30ºC que se fizeram sentir pela região de Canterbury este fim de semana, fomos desfrutar um pouco mais desta terra que já tínhamos visitado, embora só para parar, comer e seguir viagem (é a última zona habitada antes de se fazer alguns percursos que só se conseguem fazer de todo-terreno ou a pé).

Fica assim registado mais um local a voltar a repetir (principalmente no Inverno e com muita neve... que saudades de Budapeste), ou para alguém ir visitar com recomendação.



 Para os mais curiosos: as temperaturas aqui mudam muito do dia para a noite, e apesar do fim de semana quente, amanhã prevêem-se uns não tão simpáticos 19ºC com céu muito nublado...

quinta-feira, fevereiro 07, 2013

Uma semana e pico de Estados Unidos da América...

Esta é a minha primeira semana de volta a Christchurch depois de uma passagem pela Califórnia (e um salto muito rápido ao Nevada).

A ida para Aliso Viejo (no Orange County, Califórnia) foi por razões profissionais mas não há nada como aproveitar ao máximo as oportunidades que a vida nos dá e por isso pedi à empresa para marcar o voo uns dias antes e em vez de ir na segunda-feira, fui antes do fim-de-semana para ir visitar um amigo em San Francisco.

Como era "altura de aproveitar", antes de San Francisco, ainda deu tempo para visitar o Tahoe Lake, na fronteira entre a Califórnia e o Nevada... para matar as saudades da neve.

San Francisco passou directamente para o meu TOP de cidades favoritas a nível mundial. Gostei MESMO muito, e sem dúvida que é um destino a voltar. Tudo muito limpo e paisagens fantásticas. Tinha uma ideia de como seria San Francisco e correspondeu totalmente às expectativas.

Depois foi uma semana de trabalho em Aliso Viejo, com os finais de dia a serem passados de forma agradável em várias partes do Orange County. (não vou descrever o trabalho... é trabalho, mas até esse foi bom...)

No final da semana foi o regresso a Los Angeles (cidade que contínuo sem gostar) mas tendo em conta que a empresa nos pagou tudo (inclusive um bom hotel, muito boa comida e ainda a visita ao Universal Studios) não me posso queixar de nada.

Uma semana impecável... aqui ficam as fotos da praxe...
E o agradecimento especial ao Marco por ter ajudado a conhecer melhor San Francisco e me ter apresentado a esse lugar fantástico que é o Lago Tahoe...

Lake Tahoe (Califórnia - Nevada)



San Francisco



Orange County


Los Angeles



sexta-feira, fevereiro 01, 2013

Tempos árduos na Califórnia...

Esta foi uma semana de trabalho pela Califórnia (Orange County), nos Estados Unidos da América.

A razão é que a sede da minha empresa é precisamente aqui e é normal fazer-se uma recepção aos novos elementos da equipa (eu sou um novo com 3 meses e meio).

Como são dias "muitos cansativos" de algumas horas sentado a ouvir todas as apresentações da empresa, no final do dia temos de ir relaxar.

E é aqui que entra o verdadeiro "estilo americano" (e é também a parte, como diz uma amiga minha, que me ponho a meter nojo). Mas como acho que não consigo descrever tudo que a empresa nos proporcionou... aqui ficam as fotos dos nossos transportes e dos locais para onde fomos...

Para aqueles que vão responder "ahh... assim também queria...", estas empresas (IT) ainda andam a contratar pessoas... força de vontade e trabalho nesse sentido e alguns podem também vir para cá... :)


A sede da minha empresa...
O autocarro que nos levou ontem para os passeios de barco...
O meio de transporte para o final de dia de hoje...
O lugar onde foi o jantar hoje...
 Um amigo ontem disse que isto eram férias profissionais... e admito que às vezes parece um pouco...
Só que quando voltar vou ter de recuperar algum do tempo aqui, para a empresa continuar ter mais dinheiro para estas coisas. :)