quarta-feira, outubro 31, 2012

Treme, Treme...

A terra acabou de voltar a tremer e lembrei-me de fazer aqui o ponto de situação deste mês de terramotos.  Este não foi nada de especial, foi fraquinho, mas teve a particularidade de ser mais longo em duração.

Desde que cá estamos só dois se podem considerar dignos de registo. A imagem seguinte demonstra o nosso tempo aqui na cidade. Sentir-se assim sem dúvida que é um terremoto só os que estão a amarelo (se estiverem acordados, que não foi o meu caso com o segundo porque não acordei). Depois aqueles com maior magnitude (mas abaixo do 4) também se sentem mas nada de alarmante. Fica-se atento a ver como vão "progredir".


Claro que dentro do panorama que tem sido os últimos dois anos (imagem seguinte) as coisas parecem calmas. Independentemente disso temos os "kits" todos preparados para o que der e vier. Não existe uma "casa segura" ou estar preparado psicologicamente. Mas seguimos as recomendações e antecipamos o que é possível. Se algum dia acontecer um mais forte logo veremos. 

Carreguem nas imagens para aumentar ou vejam no site de "Terramotos de Canterbury em Tempo Real". Existem aqui vários sites que actualizam esta informação e até há um para se fazer o relato da escala de Mercalli. Se o sentirmos vamos lá escrever o como o sentimos e o que aconteceu à nossa volta (questionário online muito simples). 

segunda-feira, outubro 29, 2012

Mapa mundo...

Vou agora ter mais uns dias a escrever menos mas queria prestar um pequeno esclarecimento aos meus amigos que me disseram que eu já não estava no centro do mundo quando me vejo num mapa.

Na realidade não estou, mas só por estar um pouco mais a sul. Aqui até os mapas são um pouco diferentes daqueles que encontramos na Europa ou América (e já encontrei vários assim):

Mapa mundo centrado no Pacífico. A linha que passa perto da NZ é a linha do dia,
Já agora... neste momento estamos com 13 horas de diferença de Portugal desde que trocaram a hora.

sábado, outubro 27, 2012

Canterbury

Explicando um pouco de geografia da Nova Zelândia: Christchurch fica da Ilha Sul (também chamada de Te Wai Pounamu, nome em Maori) numa região chamada Canterbury.

Porque que é que isto é importante saber?
Bem, este fim de semana foi a final do campeonato nacional de Rugby de regiões. Ouvimos dizer que era um jogo de rugby muito importante aqui para os kiwis (nome que os neo-zelandeses se chamam a eles próprios).
Como queremos a melhor integração possível, fomos ver a final do campeonato que se realizou aqui na cidade, que foi assim o nosso primeiro de jogo de rugby de sempre. A final foi entre Canterbury e Auckland (a maior cidade da Nova Zelândia).

Tenho a dizer que gostei imenso de ver rugby ao vivo. O facto de ser duas equipas importantes nacionais deve ter ajudado para um excelente jogo. Muito emoção e muitos pontos marcados. Muito mais actividade que num jogo de futebol.

Claro que habituados a ver o FC Porto jogar e ganhar não nos sentimos defraudados pelo resultado. A nossa equipa venceu: Canterbury 31 - 18 Auckland (com direito a vídeo de resumo se clicarem aqui no resultado)...

Canterbury a jogar de preto e vermelho

E tal como no Porto, os campeões são a minha equipa local.

Nota extra: o jogo foi no estádio Rugby League Park porque o estádio principal da cidade ficou destruído no terramoto. Este foi também reconstruido, tem toda uma infraestrutura em pré fabricado e é temporariamente o principal estádio da cidade.

Aspecto do pré fabricado no acesso às bancadas.

Um mês depois...

Um mês depois de termos partido de Portugal, e a terceira semana na Nova Zelândia foi bastante cheia (daí a pouca escrita). Desde as primeiras visitas de Portugal (a Nova Zelândia é um bom destino para luas de mel), jantares com Portugueses de cá até café e churrascos com malta de cá houve de tudo um pouco.

Além disto tudo ainda há a boa notícia de hoje já termos assinado contrato para casa. Agora vai ser outra aventura a preencher a casa com coisas, mas isso já só depende de nós...

Saldo da Nova Zelândia mantém-se até este momento: "estou fã..." :)

Pontos negativo: a programação da TV é má demais... e está sempre a dar publicidade, ou seja, não vemos televisão (o que não é mau de todo) e a Internet tem sempre limites de transferência (logo não podemos estar sempre a falar).

Entretanto Christchurch foi  eleita como uma das 10 cidades a visitar pela Lonely Planet para o ano de 2013. Eu estou a apaixonar-me pela cidade, mas para turistas ainda estou a tentar descobrir o que há para visitar cá. Para os interessados aqui está a lista completa: Best in Travel 2013. (um obrigado à Filo e Inês pelas mensagens a avisar desta notícia mal ela se tornou pública) 

sábado, outubro 20, 2012

A natureza da Nova Zelândia...

Com o fim de semana prolongado chegou a altura de sair um pouco de Christchurch. Como ainda há muito a fazer (leia-se: encontrar casa) a viagem é curta: até à cadeia montanhosa mais perto de casa, os Alpes do Sul e descansar em Arthur's Pass.

Aproveitamos para dar a rodagem ao nosso novo carro (não é novo novo, mas para nós é...). E não é que o primeiro carro que tenho registado no meu nome tem o volante ao contrário? E ainda tem caixa automática (quando eu tanto gosto da caixa manual, mas aqui é mesmo assim).

Aproveitamos ainda para fazer trecking (caminhadas... mas ainda muito "soft", só uma hora) tentar ver kiwi's, mas isso vai ser complicado porque nesta região onde ficamos só há 11 selvagens e são muito tímidos, e ver alguns kea's, um pássaro nada tímido, parecido com um papagaio que gosta, entre outras coisas, de comer... carros. Ou pelos menos as escovas de pára-brisas e as borrachas dos carros.

Mas deste "passeio" nada como umas fotos para explicar melhor...

A caminho dos alpes
Algumas das milhares de ovelhas

O primeiro passeio no nosso novo pópó.

Um passeio à beira lago.

Enganaram-se no lado do volante!!!

O vales dos Alpes.

Kiwis à vista... ou talvez não tanto à vista...

Trecking à chuva, porque o tempo está sempre a mudar

Nos destino final
Paisagem à chuva...




sexta-feira, outubro 19, 2012

Voltando às casas

Desde que a net deixou de funcionar aqui em casa (funciona mas é tão lenta que não há paciência, e a cavalo dado não se olha o dente... ou neste caso se reclama) que diminui as vindas à net. Hoje para comunicar com a família arranjamos um dispositivo de net wireless da Vodafone (tipo as pen's USB, mas com mais estilo).

Finalmente temos carro, mas desse devo falar nos próximos dias: Depois de testar se ele anda mesmo.

A casa é que continua por resolver. Explicando um pouco o problema das casas para quem ainda não percebeu:

A cidade durante o terramoto ficou sem muitas casas. Muitas ficaram inabitáveis e noutras o risco era demasiado alto. Logo há procura de casas das pessoas que ficaram desalojadas. Depois há pessoas que vão tendo as suas casas a reparar e precisam de ficar algum tempo durante a reparação noutra casa. Logo, há mais pessoas a precisar de casa. A cidade é pequena, e com tanta procura para reparações e construção de novas casas é preciso contratar gente de fora que por sua vez traz família (nós estamos neste pacote), logo é preciso também casas para estas pessoas. Tudo isto somado, e voltando ao início da equação onde não havia casas porque muitas ficaram estragadas, temos imensas pessoas à procura de algumas poucas casas. A "especulação" (queria encaixar este palavra algures no texto e aqui foi o melhor sítio) no aluguer de casas é enorme. Os preços inflacionadas e mesmo assim há procura.

Vamos ver as casas e se nos agrada a nós também agrada a mais umas 10 pessoas que lá estão connosco e todas se candidatam às casas que por uma razão ou por outra nunca ficamos com elas (por exemplo, já nos disseram uma vez que queriam pessoas que procurassem a casa por menos tempo, para arrendar mais vezes a preços mais caros, digo eu agora).

Por outro lado como há sempre gente a voltar às suas casas surgem sempre novas oportunidades, logo mais casas, por isso há esperança, desde que haja paciência.

    Devagar...

    Devagarinho é como a net está a funcionar aqui por casa agora, por isso não vou escrever muito.

    O trabalho começou bem: a empresa parece muito interessante e está a ser uma excelente experiência. A procura de casa é para já o que nos rouba mais tempo e sem resultados à vista. Devemos estar a fazer alguma coisa mal. É isto que quero acreditar, porque isso queria dizer que podíamos corrigir algo. Mas o que parece é mesmo que o mercado aqui de arrendar casas é algo "louco". Vamos continuar à procura. Agora tem sido à hora de almoço ir ver casas e mal se chega do trabalho ir ver mais.

    Ainda só lá vão duas semanas e já não posso ver mais casas à frente.

    domingo, outubro 14, 2012

    Bem-vindo a Christchurch...


    Como uma imagem vale mais que mil palavras hoje, uma semana depois de termos chegado a Christchurch, vou (finalmente) mostrar fotos do que encontramos por cá. Como ainda não saímos desta nossa nova cidade, para já as fotos são só de cá. 

    Falando de Christchurch claro que se fala do pós-terramoto... Embora seja notório que algo aconteceu por cá, é algo que está completamente organizado e aparentemente controlado:

    Edifícios fechados para demolição ou reabilitação
    Zona de entrada na Red Zone


    Antigo tribunal a ser demolido


    Mas a cidade tem muito mais a oferecer quando se visita:

    Jardim na zona central
    Rio que atravessa a cidade


    Vistas de toda a cidade e zonas de praia



    Passagem pela zona de Sumner (já agora, informo que foi umas das mais afectadas pelo terramoto)

    Claro que a nossa busca por uma casa continua, mas entretanto fazemos uso à nossa moradia temporária:


    Com a visita diário do nosso novo amigo...


    E amanhã é o meu primeiro dia de trabalho... por isso hoje fico por aqui.




    sexta-feira, outubro 12, 2012

    Religião na Nova Zelândia: Sabias que?

    Em 2001 a segunda maior religião na Nova Zelândia, de acordo com o census desse ano, era a religião Jedi. Em 2006 o número era de 20.000 seguidores desta "religião". No último census os números não foram contabilizados por causa do terremoto, mas de qualquer forma acho que vim parar a um país deveras interessante.

    Para os que nunca viram Guerra das Estrelas aqui fica a explicação de quem são os Jedis. (clicar nos links).


    Isto é mesmo verdade, mas se quiserem a explicação para este fenómeno carreguem ali na palavra census. Basicamente foi um protesto com a pergunta de religião no census.

    quinta-feira, outubro 11, 2012

    Coincidências...

    Na nossa nova abordagem de procurar casas (temos a morada da casa e vamos ver a casa mesmo sem ser visita oficial... tipo, espreitar a casa) tivemos outra história digna registo.

    Espreitamos por uma vedação e uma rapariga começa a chamar por nós. E quando nos aproximamos começa a falar em Português (do Brasil). Era a rapariga que nos tinha atendido no banco quando abrimos a conta que sabia falar em Português (é Chilena) e por piada tinha falado connosco lá antes de sermos atendidos por outra pessoa lá.

    A casa que ia ficar para alugar era do namorado dela e assim tivemos uma visita à casa antes do resto das outras pessoas todas no Domingo. É uma grande vantagem que temos neste mercado agressivo. Ainda temos de decidir o que fazer...

    Tem coisas muito fixes, mas tem outras não tão fixes... Decisões... decisões...


    Esta foi a casa e para os interessados: aqui a maioria das casas são mesmo moradias. Quase não há prédios, por isso não há muita escolha. Preferíamos algo mais pequeno e com vidros mais grossos.

    Instintos traiçoeiros...

    Quando todos os nossos instintos estão errados tudo se torna muito complicado.

    Hoje passei o dia a conduzir um carro (este ainda é "emprestado") e posso dizer que parece que me esqueci de tudo no que toca a carros. É só calafrios. 

    A razão? Conduzir pela esquerda é fazer tudo contra o que a nossa intuição nos diz para fazer. Conduzir é algo mecânico, não se pensa... é instintivo. Pois aqui tenho de pensar em tudo, e quando não penso sai asneira. 

    Parece imensas vezes que os carros vem de frente e às vezes somos nós que nos metemos de frente ao fazer as viragens (ia bater de frente contra um porque estava a olhar na direcção oposta ao fazer uma viragem). O pior de tudo é que o carro está sempre demasiado próxima da berma da esquerda (não sei porquê mas já fui duas vezes ao passeio). E ainda há a cena das inúmeras vezes que se liga os limpa pára brisas em vez dar sinal de viragem (sim, os manípulos também estão trocados).

    Ou seja, acho que não vai demorar muito ao nosso carro ter umas quantas amolgadelas, riscos e afins, ou vou limpar ou quantos espelhos. O que vale é que o futuro parece ser "sólido".

    Resumindo, acho que tenho mais riscos neste momento de ter aqui um acidente de carro do que me aleijar com um terremoto. Mas com o tempo vai-se lá...

    New Zealand - Take 1

    Três dias depois de aterrarmos em Christchurch pela primeira vez chegou a altura do primeiro relatório:

    Neste terceiro dia senti o primeiro terremoto da minha vida. Foi no mínimo interessante sentir a casa a tremer. Não foi muito assustador, mas o coração acelerou, admito. Foi um sismo de magnitude 4,2 na escala de Ritcher e V na escala de Mercalli (clicar para detalhes desta escala). Algo que passa quase despercebido para um Neo-zelandês, mas que em Portugal seria motivo de abertura de telejornal (logo a seguir ao futebol e às notícias da crise, vá...).

    Tem sido estranho ver como a cidade ficou depois do terramoto há ano e meio atrás. O centro da cidade é chamada de "Red Zone" e é de acesso interdito. Está guardada pelo exército e só empresas responsáveis pela demolição e reconstrução estão autorizadas as entrar. Para alguém do Porto ter uma ideia, vamos imaginar que se fechava a zona da baixa desde Jornal de Notícias até São Bento, incluindo a Torre dos Clérigos, que estaria também a ser demolida (que é o que está a acontecer ao edifício que representava a cidade).

    Ontem assistimos a um (mini) protesto numa rua fora da Red Zone. O motivo era estarem a demolir (por razões de segurança) um edifício lindíssimo. Deve ser muito complicado para as pessoas verem estes edifícios que fizeram parte das suas vidas serem deitados abaixo. O que mais me marcou foi uma senhora nos seus setentas/oitentas no protesto com um ar super triste.


    Fora isto, é fantástico ver a forma organizada como a cidade está. Tudo limpo, todos os locais de construção, re-construção ou demolição super organizados e limpos. A forma como as pessoas estão a dar respostas a todos os contratempos. Por exemplo, perto da Red Zone há agora um zona comercial onde todas as lojas estão em contentores, mas tem super bom aspecto. Por exemplo há 3 bancos (entre os quais um dos bancos em que abrimos a nossa conta) que estão nesses contentores, pintados de cores alegres e diferentes.


    Christchurch é de facto lindíssima, e tudo à volta é verde. Fiquei mesmo rendido à cidade. Embora seja um bocado "paradita" (às 6h da tarde já não se vê ninguém na rua e está tudo fechado) tem tudo o que é preciso e importante e ainda muita "paz de espírito".

    Tem sido dias "atarefados", mas está quase tudo resolvido. Só faltam uns detalhes de algumas coisas importantes: CASA e carro por exemplo.

    Para já temos a casa da empresa, mas isso é uma solução temporária. Temos procurado, mas aqui a procura é muito superior à oferta, logo é "sete cães a um osso", e não estamos a ver a tarefa fácil a curto prazo, principalmente agora começando a trabalhar. A esperança é que agora tendo um carro (já estamos a tratar disso) seja mais fácil.

    Neste capítulo de carros, a parte interessante é a condução pela esquerda. Os Test Drives ao carro tem sido uma aventura. Parece que nunca conduzimos  na vida. Até ao dar o pisca, liga-se os limpa pára-brisas e é logo a confusão pegada.

    Nos próximos dias trato de dar mais notícias e colocar mais fotos, principalmente agora das coisas bonitas, que também há muitas.

    domingo, outubro 07, 2012

    Adeus Estados Unidos... Olá Nova Zelândia...

    As últimas horas nos Estados Unidos estão a ser passadas, obviamente, no aeroporto.

    Como não abundam coisas para fazer acho a altura ideal para resumir esta semana de interrupção na nossa viagem rumo à Nova Zelândia.

    Os objectivos foram todos cumpridos com sucesso. Em Los Angeles visita a Hollywood, praias de Santa Monica e Venice, Malibu e à baixa da cidade. Em Las Vegas visitar vários casinos e ganhar uns trocos (apostei 40$ e ganhei 125$... como o objectivo de triplicar o dinheiro foi atingido, deixei de jogar e saí de lá vencedor... "like a boss").

    Ainda deu tempo de visitar o Grand Canyon e fazer várias horas de viagem pela Route 66.

    Saldo:
    Los Angeles tem IMENSOS carros. É um exagero, mas aparentemente é uma cidade agradável (fora o trânsito), embora não fosse uma cidade em que me visse a viver. As pessoas são "imensamente" civilizadas a conduzir (não estava à espera). Em todo lado as pessoas que a simpatia faz o negócio: são todos mesmo muito simpáticas, prestáveis e sorridentes, quando de trata de interagir com outros, não sendo nada intromissivos . Aconteceu o mesmo em Las Vegas. Hollywood boulavert foi um bocado "desilusão", principalmente o passeio da fama (a nossa calçada portuguesa é tão mais interessante) mas os estúdios da Universal Studios valeram a pena conhecer (para os visitar tem que se ir ao parque de diversões deles, mas até isso foi muito "porreiro", e deu um dia bem passado).




    Las Vegas é fantástico... adorei, e nem sou fã do jogo. Tanto que mal ganhei, parei de jogar. E tive perto de ganhar muito mais, numa fase que estava em 50/50 de ganhar 510$ (perdi para ficar "só" com os 125$)...
    O conceito de ter tudo o que se quer no Hotel é algo que "estou fã". E alguns dos hotéis eram simplesmente fantásticos. Não nos podemos queixar do nosso. Foi melhor do que tínhamos planeado inicialmente visto que tínhamos acesso a todas as funcionalidades de um outro Hotel/Casino que é dos principais: o MGM. Curioso que já tínhamos visitado muitos dos locais que os principais hotéis representam: Nova York (New York), Roma (Ceaser), Paris (Paris), Veneza (Venice)




    O Grand Canyon é indescritível. Só visto. Um momento interessante foi quando o helicóptero entrou na falha e deu aquela volta na barriga como quando se vai na montanha russa.
    Estranhamente ainda ninguém dos que andou a visitar o Eagle Point (um lugar com uma vista muito interessante na parte de cima do Grand Canyon) caíu lá abaixo (segundo o que dizem e pesquisei na net). Aquilo é uma loucura de lugar ao lado do Skywalk, sem protecção nenhuma.


    A viagem  de volta de Las Vegas para Los Angeles foi com um enorme desvio pelo Arizona de forma a apanhar a Route 66, uma estrada histórica que ligava Chicago a Los Angeles. A estrada era considera a "Estrada da América", mas agora está deserta e é interessante ver o quão "abandonada" ficou.


    Antes de apanhar o voo de ida embora, nada como visitar Venice Beach, para relembrar o "Marés Vivas"...

    Foram uns bons dias para relaxar antes da nova aventura no Pacífico. O próximo post neste blog será certamente na terra dos Maori.

    segunda-feira, outubro 01, 2012

    Notícias desde Hollywood

    Depois das primeiras visitas ao terreno Americano é tempo do primeiro saldo (mas não vai ser o último porque estou cansado e daqui salto para a cama e só continuo depois).

    Após dois dias completos em Los Angeles deu para visitar Hollywood, o Universal Studios (um bocado caro, mas recomendo vivamente para um dia bem passado), a baixa de Los Angeles (foi só dar uma volta por lá para ver o ambiente), Santa Monica e Malibu Beach.


    Dado o pouco tempo o saldo está super positivo... pelo menos nas nossas intenções de visita. O passeio da fama fica um pouco aquém da expectativas (ou isso ou o calor era muito para aproveitar) e Los Angeles é diferente do que eu esperava: Agora a série "Cops" faz mais sentido. 

    Independente disso é uma cidade interessante de se visitar e muito grande EM ÁREA. Mas muito grande mesmo: custa ir de uma ponta a outra (tempo e paciência, pelo menos de carro).

    Ainda descobrimos um excelente lugar para se tirar a melhor foto possível do sinal de Hollywood. Depois de muita investigação a morada é a seguinte: 3000 Canyon Lake Drive, Hollywood.

    Malibu é mesmo como nos filmes e nas séries... não engana.

    Amanhã é road trip rumo a Las Vegas... mas isso é só depois de acordar.

    (Aproveitei e fui pondo umas fotos no facebook. Foi mais fácil que colocar aqui)