terça-feira, junho 28, 2016

Pequena reflexão pós-Brexit...

Comecei a escrever este blog há praticamente 11 anos. Não escrevo sobre um assunto em particular mas sim sobre os vários momentos da minha vida. Em 11 anos já escrevi de muitas maneiras diferentes. Por vezes leio algumas mensagens antigas e acho curioso como escrevi ou sobre o que escrevia no passado.

Ocasionalmente estava enganado sobre o que escrevia (por exemplo, fazia imensas piadas sobre espanhóis apenas para concluir anos mais tarde que eram aqueles mais parecidos connosco na Europa e um país onde hoje tenho bons amigos). Hoje espero ser um desses posts, que vou ler mais tarde e acenar com a cabeça de quão errado estava.

Assim escrevo para registar que esta semana onde tive a certeza que a nossa sociedade está a andar para trás. Não é a primeira vez que o fazemos na nossa história mas acho inacreditável que deixemos os erros recentes se repetirem. Lembro-me do muro de Berlim cair e do que isso representava (apesar da tenra idade). Sentia-se no início da década de 90 um mundo a andar para a frente (devagar, ainda com imensos problemas, mas para a frente).

Agora vejo o Reino Unido votar sair da União Europeia. Não foi um referendo onde as pessoas pensassem no que estavam a votar. Foi um referendo que mais depressa serviu para decidir se a população Britânica era de facto xenófoba do que realmente para discutir a UE (que de facto se tem de discutir de forma séria).
Isto precede aquele momento que há uns meses atrás me fez rir ao ver o Trump descer a escadaria a anunciar que era candidato à presidência dos EUA, mas que me agora assusta por ver que apesar do seu registo digno de um ditador violento e louco consegue ter votos suficientes para liderar a corrida até este momento em que escrevo.

Não vejo o futuro com bons olhos. E nem falo do dinheiro que perdi com o Brexit (todos na Europa perdemos, mas talvez uns se percebam mais que outros - no meu caso noto por ter dinheiro em duas moedas), falo pelo futuro da nossa civilização.

Para quem diz que isto foi uma luta da classe trabalhadora contra aqueles com todo o dinheiro (e sim, eu conheço pessoas que devem acreditar que isto foi o melhor que podia ter acontecido) relembro que na década de 1920 um tal Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães também chegou ao poder da mesma forma, com as mesmas ideias. A história conta-nos o resto do que aconteceu deste partido, que acabou por ficar conhecido na história como Partido Nazi. Como curiosidade foram 15 anos desde a sua fundação até ao início da Segunda Guerra Mundial. Ainda temos temos para ver muita coisa acontecer. Depois muitos dirão que nunca viram isso acontecer.

Pode não ser esse o nosso destino agora, podemos ter aprendido lições com o passado, mas cada vez me parece que há mais cabeças vazias (ou apenas cheias de porcaria) que cabeças pensantes. Pode ser que só o Reino Unido caía na miséria e que a UE consiga sair por cima. Ou podemos ser todos felizes para sempre.

Convém dizer que acredito que a UE não está isenta de culpa. O não saber lidar com os imensos desafios que tem é o maior problemas. Há demasiados políticos incompetentes e corruptos que só pensam no seu bolso e as consequências estão há vista. Agora a população tinha de ser capaz de gerar melhores políticos, votando naqueles com valor. A população também não é capaz, deixa-se levar por quem mente melhor.

Escrevo hoje para daqui a 15 anos alguém reler este post e pensar como eu penso tantas vezes: tão enganado estava aquela pessoa há 15 anos atrás.


É difícil não sentir raiva na decisão tomada por aqueles que considero ignorantes ou mal-informados. Provavelmente acabaram com o sonho de uma Europa unida. Lamento o preço que provavelmente todos iremos pagar por isto. Sinceramente espero que se alguém tiver que "pagar a conta", que seja o Reino Unido e que as coisas lhes corram mal, principalmente aos Ingleses. A Escócia se torne independente (e quem sabe de volta à Europa) e a Irlanda se una. Apenas unidos (todos) conseguimos algo e que isto assim fique claro.

p.s.: nem o facto de Portugal estar nos quartos-de-final do campeonato da Europa me fez esquecer isto tudo.

sábado, junho 18, 2016

Portugal, Portugal, Portugal...

Hoje foi dia de regressar ao alto da montanha (depois de um ano sem skis nos pés).
Como neste sábado é dia de Portugal jogar contra a Austria para Euro 2016, resolvemos levar o apoio a Portugal a esse ponto no alto, na esperança de um melhor resultado que aquele da primeira jornada deste torneio.

Agora amanhã (bem, amanhã para nós, porque em Portugal vai ser ainda hoje, que é o mesmo hoje que é agora hoje aqui... muito confuso esta cena dos fusos horários) vai ser dia de acordar às 6:45 da manhã e vir para a sala ver a transmissão em directo de França.


E com isto vou dormir... para acordar e ter alegrias de manhã (ou assim eu espero)...

segunda-feira, junho 13, 2016

Portugueses em Christchurch (Nova Zelândia)

Até nos termos mudado para Christchurch, nunca tinha (realmente) celebrado o Dia de Portugal (10 de Junho), isto apesar de já ter vivido fora de Portugal e este ser também o dia das Comunidades Portuguesas.

Óbvio que gozava o feriado mas nunca marcava o dia como sendo especial no calendário. Agora não é feriado, mas ao primeiro fim de semana a seguir a este dia é altura de celebrar.

Há 3 anos os Portugueses que já conhecíamos juntaram-se a um outro pequeno grupo que por vezes já se encontrava ocasionalmente e, a partir daí, começou a fazer-se um "encontro anual" de Portugueses da cidade de Christchurch nesta data, à semelhança do que acontece não só noutras cidade da Ilha Norte mas também em muitas outras cidades pelo mundo.
Note-se ainda que até esse primeiro encontro muitas das pessoas não se conheciam.

O resultado tem sido conhecer pessoas novas todos os anos com diversas histórias: umas semelhantes outras bem diferentes e ter um momento em que se recorda o muito que de bom há em Portugal (comida, estou principalmente a falar da comida... é que se come tanto que não consigo descrever). Ainda é o momento para rever todos aqueles que não estamos tantas vezes ao longo do ano.

Este ano o nosso encontro contou com 45 pessoas (incluindo alguns descendentes - como no nosso caso com a Sofia que no primeiro ano era a mais nova mas agora está longe disso- e em alguns casos o companheiro ou companheira do elemento Português do casal, mas estes também com Portugal no coração). Há mais uns dez, pelo menos, que conhecemos mas nunca é possível juntar todos todos. De certo que haverá outros que não conhecemos...

Partilho algumas fotos deste dia... afinal é uma casa Portuguesa (com certeza) e com uma vista daquelas que Christchurch gosta de nos proporcionar...  E assim se passa o fim de semana a seguir ao Dia de Portugal aqui na nossa "nova" cidade.

(Um agradecimento especial ao casal anfitrião que, pela segunda vez nestes três anos, cedeu o espaço para a organização do evento)
















Para se ficar até à noite escura... porque apesar de tudo somos Tugas no sangue e não Kiwis...

p.s.: "roubei" 5 destas fotos de outros álbuns do Facebook, mas achei que nas minhas ficavam algumas coisas por contar... Estou certo que a Maria e o Nuno não se importam...

terça-feira, junho 07, 2016

Ainda há estrelas no céu...

Rui Veloso dizia que não havia estrelas no céu a dourar o seu caminho...

Claramente ele não vivia num lugar tão isolado como a Ilha Sul da Nova Zelândia. Aqui, basta sairmos de Christchurch numa noite sem muita lua que isto é que se consegue ver.


Ainda não consegui tirar as minhas fotos à Australis Borealis (o equivalente no hemisfério sul à Aurora Borealis) mas a Via Láctea facilmente consegue-se ver e, tivesse-se mais talento com a câmara que eu, ainda conseguia-se um efeito melhor do que a foto anterior. É que até a olho nu se consegue ver perfeitamente. Esta foi tirada ontem à noite em Hanmer Springs, a cerca de hora e meia da nossa actual cidade.

Estranho como a nossa sociedade já parou de olhar para o céu com os mesmos olhos (devido a todos as luzes que nos encandeiam em terra). Pelo menos falo por mim: só depois de viver aqui,  e já depois dos meus 30 anos, vi a Via Láctea completamente nítida no céu. Sim, já tinha visto as estrelas, mas nunca identificado tão claramente a nossa galáxia sem ser em fotos...

Ontem apesar de não estar no meio do nada absoluto (ainda havia umas casas) olhei mais uma vez para o céu, mostrei a estrelas à minha filha, tirei umas fotos... e depois para o quentinho dentro de casa, é que a temperatura chegou aos -5ºC. Apesar de uma noite linda, no aquecimento estava-se melhor...

Vivemos isolados do resto do mundo. A distância é má mas pelo menos aqui é sempre bonito e ajuda-nos a lembrar aquilo que todo o mundo tem e cada vez mais se esquece...