quinta-feira, março 24, 2016

Mesmo à distância, Portugal a testar a nossa paciência...

Já passaram quase 4 anos desde deixamos de viver em Portugal mas ainda temos a nossa casa no Porto/Leça do Balio.

Agora Portugal nunca deixa de me surpreender, e muitas vezes pelas piores razões. Ainda agora, a mais de 20.000km de distância conseguem me fo... fornecer momentos de extrema irritação.

Ora bem, um vizinho não fez os pagamentos ao banco (ou algo parecido que não sei detalhes) e então uma empresa contratada pelo banco foi fazer a penhora da casa (infelizmente algo que parece estar a acontecer muito).

Com enorme "competência" a empresa chegou ao prédio fez a penhora da casa (basicamente tomaram conta da casa) e, aqui é que a coisa fica interessante, em vez de penhorarem o arrumo do vizinho, resolveram arrombar o nosso arrumo, portanto abrir uns buracos na porta, retirar tudo que lá tínhamos (mandar para o lixo) e trocar a fechadura do arrumo por outra.


Já não basta os crimes que acontecem no país, ainda temos de lidar com empresas profissionais e com licença para assaltar. Ainda não sei onde este processo vai parar mas parece-me TÃO TÃO RIDÍCULO... que não dá para acreditar.

Agora é tentar resolver estas coisas a 20.000km, provavelmente ter de meter advogados para receber indemnização, saber quem vai reparar e esperar que a empresa de penhora assuma a culpa...

Perguntam-me se a Nova Zelândia é longe... ÀS VEZES AINDA BEM QUE É.

Até podemos ter ficado com uma bandeira imperialista (sim, os resultados do referendo sairam hoje e ficamos com a bandeira antiga) mas ao menos não tenho de ouvir que tenho de falar  "Engenheiro XPTO" para isto e "Engenheiro XPTO" para aquilo (já há muito que não ouvia uma secretária chamar alguém pelo título tantas vezes... e choquem-se fiz questão de não chamar o homem por engenheiro uma única vez).

Hoje já respirei fundo muitas vezes para não insultar ninguém, inclusive o (demasiado) calmo PSP com quem falei ao telefone (se fosse nos Países Baixos acreditava que tinha ido a uma coffee shop antes de entrar ao serviço).

Já para não falar dos esquemas que oiço vindos de Portugal... daqueles que acontecem no dia a dia e todos consideram normal (se calhar eu só me choque porque já não oiço essas barbaridades há n).

Sinto saudades sobretudo de algumas pessoas em Portugal mas nestes momentos percebo porque vivo na Nova Zelândia...

terça-feira, março 08, 2016

Muitas notícias... pouca inspiração...

Desde a última vez que escrevi já passaram mais de 15 dias... 

Podia dizer que não tinha nada para escrever mas um dos países que tivemos neste período foi parcialmente destruído,  em particular os lugares onde estivemos (nas Fiji). Ainda poderia falar de todos os estragos na minha empresa causados pelo terramoto ou da falésia, à nossa frente na foto desta caminhada que fizemos uns dias antes do terramoto do dias dos namorados, que caiu completamente. (Já agora, a foto é tirada na nossa cidade, num dos meus lugares favoritos para caminhadas - direitos de autor e agradecimento para o António pela foto - não temos muitas fotos dos três tiradas de longe nas nossas caminhadas).


Ainda podia falar dos jornalistas portugueses a escrever sobre a Nova Zelândia (desta vez por causa da bandeira) ou falar da bandeira em si. Finalmente ainda ontem podia escrever de como recebi a minha prenda de Natal da empresa em Março. Note-se que podia escrever a gozar por ser uma das prendas mais atrasadas que recebi até hoje mas tendo em conta que a prenda foi uma Apple TV de 4ª geração e eu sou um fã deste produto só me ocorrem coisas boas e positivas. (Para nós é excelente porque não vemos televisão por opção e assim podemos fazer o nosso streaming online - Netflix, YouTube e outros canais online - no ecrã da televisão com qualidade muito boa)

Mas não... não tenho tido inspiração para escrever e por isso deixo só este resumo de tudo que podia escrever mais e desta foto de um dos nossos momentos de fins de semana.