terça-feira, junho 30, 2015

Nozes é só para quem não tem dentes?

Nunca percebi bem a expressão "Deus só dá nozes a quem não tem dentes."

Sim, as nozes são duras, mas não existem várias formas de esmagar uma noz sem ser com os dentes?
Até na pré-história duas pedras serviriam para abrir uma noz e desfazer o miolo em pedaços tão pequenos que seriam comestível mesmo sem dentes.
Para mim é um ditado popular usado como desculpa para quem não quer tentar ver mais e aproveitar mais porque mesmo quem não tem dentes tem plena capacidade de aproveitar as nozes...

É com este espírito que tentamos aproveitar um pouco a nossa vida.
Sim, está frio... Frio significa aquecedores ligados em casa (a.k.a. "heatpump"), que não há idas à praia (para já) e que não andamos de calções pela rua mas também significa diversão.
Temos é de saber aproveitar o que a vida nos oferece e sem desculpas, porque em todos os momentos há coisas fantástica para se aproveitar, basta não ter desculpas.
Por isso este fim de semana foi altura de regressar à neve.

Dia fantástico:
- Nevou durante a semana e a altura de neve era entre 85 e 165cm... ainda para mais de neve fresca.
- Acesso à estância complicado: no início da manhã apenas 4x4 e com correntes. Como o nosso cumpria os requisitos fomos dos primeiros a subir a montanha e tivemos a estância vazia. (acabou por ficar com pouca gente no resto do dia)
- Dia de sol quente e sem vento... super agradável...
- Sem nuvens, logo tinha-se a vista por cima da ilha toda até ao Oceano Pacífico.

Para que não restem dúvidas, e como sempre, as fotos para mostrar um pouco de como é maravilhosa a nossa ilha, mesmo quando as temperaturas negativas cobrem a ilha toda.

De novo a esquiar juntos e com amigos. No topo da montanha com vista sobre o mundo.
Apenas 4x4 com correntes no início da manhã deu um aspecto diferente ao parque.
Malta que nos dá lições de vida (a cadeira de rodas esperava-o cá em baixo).
A esquiar mesmo nas pistas complicadas... e com o filho a acompanhar...
A nossa pequena a explorar a neve... a seguir o exemplo da mãe... 
Uma estância quase vazia... e não percebi bem porquê...
Mais uma temporada de ski...
Para já vai ser curta, mas depois de praia é para regressar...
A nossa casa fica do outro lado daquelas colinas... pertinho...
No final do dia, regressámos...

sexta-feira, junho 26, 2015

Não está chuva nem orvalho...

Já aqui escrevi acerca do frio que paira neste momento sobre a nossa ilha e até já partilhei mais algumas fotos.
Mas neste momento o Inverno é mesmo a principal notícia por estes lados, com temperaturas records negativas, e por isso resolvi mostrar mais um pouco do que se passava no outro lado do mundo quando em Portugal estavam 30ºC.
Gosto de partilhar isto porque por vezes não conseguimos ter a percepção como noutros pontos do globo se pode estar em condições tão diferentes daquela em que estamos.

Como nem tudo é mau, aproveito a ocasião para dizer que apesar das temperaturas conseguirem ser muito baixas o Inverno na Nova Zelândia é mais facilmente tolerável que aquele em Portugal e nos Países Baixos porque é muito mais seco. Ou seja, várias camadas de roupa são suficientes para nos sentirmos confortáveis porque, regra geral, não temos de nos estarmos a proteger da chuva.
Ainda no lado positivo, significa que temos neve para esquiar (se os joelhos assim permitirem).

Nenhuma das seguintes fotos é minha, a nossa aventura rumo ao centro vai ser só neste fim de semana, mas ficam aqui com algumas imagens de satélite e de serviços de informação, de como está a ilha e um mapa como foram as temperaturas nesta terça-feira (nas cidades ou vilas, ou seja, não é no alto das montanhas) à hora de ir para o trabalho.







domingo, junho 21, 2015

Bridle Path

Já por diversas vezes escrevi aqui sobre trilhos (tracks) e de como servem para conhecer a Nova Zelândia. Vai ser difícil não voltar a escrever visto ser uma das melhores (e mais baratas) formas de conhecer o fantástico do país.

Também já disse anteriormente que estamos aos poucos a aumentar o nível de dificuldade pois ainda tenho de me habituar ao "peso extra" nas subidas e não quero ser surpreendido com algo que não consiga fazer. Por essa razão esta semana resolvemos fazer o primeiro trilho non-stop sempre a subir nas colinas à volta da cidade.

O Bridle Path era o percurso feito no final do século XIX pelos viajantes que chegavam da cidade pois ligava o porto de Lyttelton ao centro de Christchurch. Como o porto está dentro dos vulcões (extintos) de Banks Peninsula é preciso subir as colinas para atravessar de um lado para o outro. Desta vez limitamos-nos a subir até à crista, e depois subir mais um pouco pela crista até à gondola (teleférico).

Um desafio maior com uma menina bem disposta nas nossas costas a mexer-se e rir-se imenso (haja alegria).

Nota: Bridle quer dizer freio (de cavalo)... só me faltou essa parte tendo em conta que também eu levava a "carga" às costas...

Para quem quiser ver num mapa o local fica aqui. Quanto ao percurso?  Ficam as fotos (não carreguei a máquina por isso aparecemos muito nas fotos).

Cinco minutos depois início do percurso... ainda faltava muito...
Primeira paragem para respirar. O parque lá em baixo tinha sido  o ponto de partida...
A cidade ia ficando para trás...
Um passeio de sábado a três... 
Ainda com um pouco para subir (o destino foi aquela "casinha" no alto lá ao fundo)
A segunda paragem ao chegar à crista da nossa "montanha"... (é uma colina)...
Uma vista muito simpática...
A última subida... desde "lá de baixo" até "cá cima"...
O tempos ainda tem muito a melhorar, mas para primeira subida até foi aceitável...

sábado, junho 20, 2015

Winter is coming...

Não, não vou fazer nenhuma referência ao "Game of Thrones". O Inverno está MESMO a chegar a estes lados.

Enquanto em Portugal as pessoas "queixam-se" das temperaturas superiores a 30ºC, na Nova Zelândia as temperaturas continuam a descer.

Se nas montanhas é normal nevar, nas planícies de Canterbury (onde vivemos) não é tão normal assim e em Christchurch ainda menos normal é, visto ser ao lado do mar.
Mas o Inverno está mesmo a chegar... aquele Inverno que só vem de n em n tempo e grande parte das planícies já estão completamente cobertas de neve. Estas fotos (que gentilmente "roubei" ao jornal aqui da cidade) são a cerca de 30-40 minutos de nossa casa nas vilas à volta da cidade.



Foi um "daqueles" nevões e ainda há mais para vir. Basta olhar para a meteorologia e ver que na próxima segunda feira até na cidade (ao nível do mar) vai nevar, com as temperaturas durante a semana a atingirem os -5ºC durante a noite.


Para os que conseguem ver o lado positivo disto (SKI e SnowBoard) imaginem que ao nível do mar está a nevar... logo, como estarão as montanhas? Pois, estão com tanta neve que há risco de avalanche em todas as vertentes em algumas estâncias e noutras nem se consegue lá chegar. Por isso é melhor esperar mais uns dias até estar tudo estável. Pelo menos depois destes dias e tendo em conta a altura da neve prevê-se uma boa época. Toca a recuperar a forma (já começamos, mas escrevo sobre isso depois noutro post).



quinta-feira, junho 18, 2015

Outra contagem decrescente...

Com menos de três semanas e meia para fazermos mais uma grande viagem pelo mundo (pela primeira vez a Sofia vai-se aventurar connosco) acredito que já não vamos ter muitos mais fins de semana com eventos especiais: vão ser apenas três fins de semana e, a não ser uma provável ida à neve se os joelhos autorizarem, devem ser fins de semana bastante calmos.
As últimas semanas foram completamente cheios de actividades (incluindo 800km de viagem de carro e a Sofia eu termos sido lançados às feras e ficado os dois sozinhos em casa trocados por uma semana nas Fiji) e por isso também precisamos de repouso.
Assim posso dizer que a contagem para a viagem Ásia/Europa começou...

De certo que vou escrever algo no blog entretanto mas será algo não planeado com antecedência.

Falando de transportes público e de viajar com crianças, fica uma foto de uma das nossas viagens de eléctrico, aqui em Christchurch, depois da Sofia nascer. Isto foi o lugar onde o carrinho fez a viagem enquanto nós estávamos dentro do eléctrico (mesmo). Inesperado mas pelo menos sabemos  o eléctrico está preparado para as crianças. Vamos a ver se no avião corre igualmente bem (apesar de a Sofia no primeiro ano de vida já ter feito quatro voos).




sábado, junho 13, 2015

Os Portugueses na Nova Zelândia...

Apesar de nos últimos tempos o sentimento de ser Português estar mais vivo nos Portugueses a viver na Nova Zelândia por causa do Mundial de sub-20 da FIFA, onde a "seleção das Quinas" está a jogar, nem só de futebol vive este sentimento.

Para nós, o sentimento vive-se em cada contacto com os outros Portugueses. Isto acontece no dia a dia e também em ocasiões especiais, como aconteceu neste fim de semana, por ter sido dia de Portugal e das Comunidades Portuguesas (durante a semana, onde aqui não é feriado, por isso passa para o fim de semana). 

Provavelmente vivemos mais estes dois eventos (Mundial de Sub20 e Dia de Portugal) que se estivéssemos em Portugal (estou certo que sim). 

Na verdade até já dediquei dois posts ao futebol no blog, mas este não é dedicado ao futebol. É dedicado aos nossos momentos com os Portugueses em si.

Estes foram alguns dos Portugueses que nos acompanharam e vibraram connosco no estádio (e, na segunda foto, na fábrica de chocolate... também se vibra numa fábrica de chocolate).



Claro que estes não são os únicos Portugueses de Christchurch (e não eram sequer os únicos com quem estivemos no estádio). 
Este fim de semana, tal como fizemos o ano passado, depois do Dia de Portugal, juntámos-nos para falar em Português por uma tarde e, obviamente, levar "alguma" comida. Este ano nem todos puderam estar presentes (ficam para os encontros de futebol) mas foi possível manter a "tradição" da reunião. Estas são algumas fotos do encontro de Christchurch deste ano.






Ainda tem sido muito interessante para mim acompanhar nas redes sociais (leia-se Facebook) todos os movimentos de Portugueses (muitos que não conhecemos), espalhados pelo país, para se encontrarem (muito por causa do futebol). Isto um pouco por todas as cidades. Na visita a Dunedin conhecemos mais alguns e a comunidade de Hamilton (local onde Portugal está a fazer mais jogos, e jogo amanhã) continua a fazer furor no apoio à seleção (e com alguns adeptos vindos de Auckland). 

Não é algo que procuremos o tempo todo (só estar com Portugueses), até porque grande parte dos nossos amigos aqui são de outras nacionalidades, mas estes encontros também são muito bons para matar saudades de algo que dentro de nós que grita Portugal.

Como curiosidade, a influência Portuguesa na Nova Zelândia já vem de há muito tempo. O 3º governador (1845-1854) e 11º Primeiro-Ministro (1877-1879) da Nova Zelândia, Sir George Grey, nasceu em Portugal (Lisboa) no longínquo ano de 1812. Para quem acha viajar até cá complicado, imagem como seria nessa altura. 
Gosto de ler sobre os países onde vivo e a sua história. De vez em quando deparo-me com curiosidades destas. Portugal sempre presente na história... e nós Portugueses, quer se queira, quer não, fazemos parte dessa história, mesmo que à distância... 

p.s.: amanhã Portugal joga contra o Brasil na Nova Zelândia... vai ser à uma da tarde daqui, duas da manhã  em Portugal (na madrugada de Sábado para Domingo). Não nos vão ver no estádio porque esse jogo é na Ilha Norte, mas uma vitória representa um jogo nas meias finais aqui na nossa cidade.

terça-feira, junho 09, 2015

Quando os momentos são notícia...

Há dois anos atrás demos a nossa primeira entrevista desde a chegada à Nova Zelândia. Foi para a Antena 1, num programa dedicado a Portugueses no Estrangeiro. Curiosamente, os momentos que aqui descrevo, por vezes, são eles próprios a notícia, e com isso estas notícias tornam-se momentos nossos.

Um ano depois demos uma segunda entrevista. Foi exactamente no mesmo dia (que também foi o meu aniversário) e também para a Antena 1, mas desta vez para um outro programa.

Este foi o terceiro mês de Maio que passamos na Nova Zelândia e, por pura coincidência, no mesmo dia que as entrevistas anteriores tivemos a terceira entrevista, desta vez para a Revista Sábado.

Como estas coisas demoram sempre algum tempo, este artigo, que foi artigo de capa da revista, acabou por ser publicado apenas esta semana: A Nova Zelândia foi um dos países referenciados no artigo principal da revista e nós deixamos o nosso testemunho.


A diferença foi que desta vez esta entrevista não foi a única com o nosso nome e fotografia a ser publicada em Portugal, a mais de 20.000km de distância, no espaço de uma semana sequer:
Com a seleção de sub-20 de Portugal a jogar o mundial na Nova Zelândia os holofotes da imprensa viraram-se para esta direção e assim tivemos mais um artigo connosco, desta vez n'A Bola (Domingo, 7 de Junho de 2015).
Isto fica quase como o filme "Inception": é o post no blog que fala da notícia do jornal sobre os posts do mesmo blog.


E se na imprensa escrita é super interessante ver alguns dos nossos momentos, não menos interessante foi ver alguns segundos de outros nossos momentos no Estádio de Otago enquanto víamos o jogo Portugal-Colombia. É que com a Sofia por perto (e poucos adeptos Portugueses nas bancadas) as câmaras filmaram-nos diversas vezes. Pelo menos dois desses momentos foram-nos enviados por amigos, sendo o meu favorito o momento em que a Fox (Sports) dos Estados Unidos da América mostra a Sofia no seu entusiasmo no estádio (nos primeiros 7 segundos do video seguinte, onde podem aproveitar para ver o resumo do jogo).


Claro que um dos momentos altos do jogo para nós foi o hino e foi agradável como a transmissão em directo da RTP tratou de mostrar o nosso entusiasmos com o hino, sendo que de imediato vários amigos nos reconheceram e enviaram imagens como a seguinte.


É verdade que são apenas alguns segundos (video a seguir), mas não deixa de ser uma forma de estarmos próximos da família e amigos apesar de toda a distância. E que bom foi todos mandarem vídeos e fotos que foram vendo durante este momento. Um obrigado a todos sem excepção.


Ainda adoramos ver todos os nossos amigos daqui a aparecerem também eles quer nos ecrãs gigantes do estádio, quer nas transmissões de televisão. Não é todos os dias que se está num estádio e se conhece tanta gente, sabendo onde estão (era procurar as bandeiras de Portugal). E depois quando passava o telejornal em Portugal, também eles lá aparecerem e aí já era eu a os reconhecer.

Longe de viver para o momento da fama, é sempre bom por vezes sermos recordados que, apesar da distância, nunca estamos esquecidos

domingo, junho 07, 2015

PORTUGAL, PORTUGAL...

360 km separam Christchurch de Dunedin (sem auto-estradas), mas este fim-de-semana cada minuto para fazer esta viagem valeu o esforço, afinal fomos ouvir o hino de Portugal ao vivo pela primeira vez na Nova Zelândia.

Sexta-feira depois do trabalho (que neste dia acabou às 15:30) rumamos a sul, para o 1ºC da capital da região de Otago. A nossa comitiva era de dois carros, dos diversos de Portugueses que se deslocaram desde Canterbury, em particular de Christchurch, para ver a selecção Portuguesa de Sub-20 jogar no Mundial da FIFA de Sub-20.

O jogo foi no Estádio de Otago (onde já tinha estado com a família), que tem como curiosidade ser completamente coberto (e ainda bem, porque assim ficou mais agradável comparando com a temperatura lá fora).

O resultado deste jogo contra a Colômbia foi uma vitória de 3-1, o que fez garantir o primeiro lugar do grupo (só com vitórias) e um jogo nos oitavos de final com a Nova Zelândia (selecção anfitriã deste torneio).

Depois do jogo ainda deu para fazer um convívio de Portugueses (como não somos muitos dá para se conhecer a maior parte). O curioso é que durante o jogo as bandeiras de Portugal eram quase sempre de alguém conhecido.

A cereja no topo do bolo foi a cobertura mediática que o jogo teve, inclusive em Portugal. Os nossos amigos Portugueses e a nossa família de três quase todos aparecemos na transmissão em directo na TV ou nos telejornais com resumos. Isto para não falar na cobertura da imprensa escrita. Mais detalhes sobre isto fica para o próximo post.

Para já duas fotos dos momentos antes do jogo. Usando os termos técnicos: "o aquecimento para o jogo".