domingo, outubro 26, 2014

“It's the time you spent on your rose that makes your rose so important.”

ENGLISH VERSION AFTER THE PHOTO.


"Foi o tempo que passaste com a tua rosa que a tornou tão importante."

Uma das maiores vantagens de se viajar (e viver fora) são as pessoas que se conhecem. Ao longo da minha vida, que neste momento é uma "nossa" vida a três, temos conhecido pessoas fantásticas, amigos e companheiros. Para mim isto é do mais enriquecedor que se consegue ter durante a vida, principalmente porque se aprende que as pessoas e culturas conseguem ser tão diferentes e no entanto tão iguais. Aprendemos que existe bondade e maldade em todo lado mas que se pode ter a felicidade de nas nossas aventuras se conhecer sobretudo pessoas boas.

Isto faz-nos ver o mundo de uma forma muito diferente. De certo que hoje faço coisas diferentes (que aprendi podem ser normais noutros locais) mesmo tendo crescido com algum preconceito sobre elas no meu país (e a Nova Zelândia, com a sua cultura extremamente relaxada também ajuda a mudar-se muito). Ainda sei que muitas coisas que posso considerar normais podem ser ofensivas para outros (principalmente para os Asiáticos devido às suas grande diferenças culturais). Sobretudo crescemos como pessoas e com as nossas diferenças.

Engraçado como na lista das pessoas com que falo com mais regularidade tenho Iranianos, Ucranianos, Checos, Kiwis, Americanos (EUA), Canadianos, Brasileiros, Aussies, Malaios, Argentinos, Franceses, Britânicos, Alemães, Espanhóis, Holandeses, Russos e Sauditas. E se me perguntarem com que frequência falo com as pessoas dessas nacionalidades, a resposta curiosamente é "mais do que com uma grande parte dos Portugueses que conheço" (há excepções, claro). E muitos deles nem vivem aqui, é mesmo através do Skype.

Conhecer estas pessoas todas, conhecer outros Portugueses que como nós andam por esse mundo fora e ainda ter bons amigos em Portugal, tem me ajudado a regar outra das "minhas rosas" e aos poucos (pequeninos) ir aumentando a minha coleção d'"O Principezinho". 
Este livro em particular porque, para além de ser o meu livro favorito, descreve o que acho mais importante sobre a amizade. Esta é a minha coleção actual (pela ordem na foto):
Português (Portugal - Ilustrações a 3D - cópia da Sofia), Inglês (Reino Unido), Checo (Rep. Checa),
Espanhol (Espanha), Espanhol (Argentina), Sueco (Suécia), Mirandês (Portugal), Galego (Espanha), Búlgaro (Bulgária),  Bretão (França), Português (Portugal), Farsi (Irão), Francês (França), Ucraniano (Ucrânia) e Alemão (Alemanha).

Um obrigado muito especial a todos que me estão a ajudar a tornar esta coleção cada vez mais interessante.

Coleção no dia de hoje / Collection as it is today

“It's the time you spent on your rose that makes your rose so important.” 

One of the biggest advantages of traveling and living abroad is the people you meet. During my life, that now is "our life of three", we met fantastic people, friends and companions. For me this is one of the biggest achievements we can have in a lifetime because you learn that everyone can be so different yet we can all be so alike. We learn that there can be goodness and evil everywhere but we can been lucky enough to mostly meet kindhearted people. 

This allows to see the world through different eyes. Nowadays I do several things in ways that would be seen as "weird" back in the country where I grew up: Portugal (living in New Zealand also helps to be more relaxed, I totally recommend it). I also learned that things that I considered "normal" were seen as extremely impolite in other places in the world (specially in Asian - Japan in particular). Above anything else I think this knowledge makes us grow as human that share the same planet.

It's funny how, now, in the people that we talk more often we include Iranians, Ukrainians, Czechs, Kiwis, Americans, Canadians, Brazilians, Aussies, Malaysians, Argentinians, French, British, Germans, Spanish, Dutch, Russians and Saudis. We talk more often with people from these nationalities than with most Portuguese we know (some great exceptions of course) and many of them using Skype (no distance excuse)

Knowing all these people, knowing other Portuguese that, like us, live all over the world and still having good friends in Portugal, allow me to "give some water" to another one of my "roses" and, step by step, increasing my collection of my favorite book "The Little Prince.

My current collection includes (photo order):
Portuguese (Portugal - 3D edition - Sofia's copy), English (UK), Czech (Czech Republic), Spanish (Spain), Spanish (Argentina), Swedish (Sweden), Mirandese (Portugal), Galician (Spain), Bulgarian (Bulgaria), Breton (France), Portuguese (Portugal), Farsi (Iran), French (France), Ukrainian (Ukraine) and German (Germany).

A special thanks for everyone helping me with this and making my collection more interesting every day.


sexta-feira, outubro 24, 2014

Habemus Passaporte... (Três Portugueses na Nova Zelândia)

E ao fim de quase 6 meses... a aventura do terceiro elemento da nossa casa para ser Portuguesa (e identificada como tal) chegou ao fim.

Depois de várias burocracias, que nos fizeram fazer duas viagens de avião para fora da nossa ilha (descritas aqui no blog), uma a Wellington (capital da Nova Zelândia) e outra a Auckland  (a cidade com maior população do país) já temos três passaportes Portugueses debaixo do nosso tecto.

Agora só resta mais alguma burocracia local. Pelo menos durante uns tempos não temos fazer viagens para estes assuntos (bem, mais ou menos, os passaportes para bebés só tem 2 anos de validade por isso daqui a uns tempos lá estaremos de novo)...





sábado, outubro 18, 2014

Viver na Nova Zelândia... (o lado surreal)

Viver na Nova Zelândia, quando se é de outro país, consegue, por vezes, ser uma experiência surreal.
Tão surreal que algumas pessoas tem dificuldade em acreditar que a Nova Zelândia existe mesmo... havendo mesmo milhares de pessoas com essa dúvida.

No facebook existe uma página com mais de 90.300 de pessoas a segui-la dedicada inteiramente a isso.


Para quem tem dúvidas, podem ver a página aqui.

Hoje vou deixar alguns exemplos de coisas que já presenciei ou presenciei similar nesta estadia por cá. Algumas destas "piadas" devem ser complicadas de conceber para quem nunca cá esteve mas na realidade não são "piadas", são a mais pura das realidades.

Acompanho o Facebook da polícia da minha cidade e já assisti a uma cena igual a esta.
Normalmente a polícia faz os seus comunicados das pessoas que procuram no Facebook, o curioso é que por vezes são as próprias pessoas que são procuradas (mesmo) a responderem. Fica o exemplo que aconteceu noutra cidade.


Depois existem aqueles comunicados nas lojas que, pelo menos em Portugal, não fariam qualquer sentido, mas aqui é algo perfeitamente normal como por exemplo: ver pessoas de pijama na rua, no supermercado ou noutro lugar qualquer à noite ou início da manhã.
Isto já para não falar das pessoas descalças em todo lado... algo que neste momento já encaro como completamente normal e às vezes já o faço, embora não em todos os sítios como a malta aqui.
Assim este comunicado faz todo o sentido, bem como um que vi no hospital a dizer que as visitas tinham de entrar calçadas.


Por outras vezes os avisos tem de ser mais drásticos para as pessoas compreenderem as consequências... (nota: a última frase é a tradução para Maori de "Department of Conservation")


Depois ainda existe as singulares caixas do correio... Algumas são de facto de outro mundo, tipo esta da foto ou similares que já vimos por todo. Depois há outras que são fantásticas, obras de arte...


E depois até mesmo os locais aqui tem algo de estranho.
Sabem que na Nova Zelândia existe um lugar chamado: Taumata­whakatangihanga­koauau­o­tamatea­turi­pukakapiki­maunga­horo­nuku­pokai­whenua­kitanatahu
Tipo, existe mesmo, não é brincadeira. Podem confirmar aqui por exemplo. Eu gosto particularmente da placa de identificação quando lá se chega.



Ainda há outros nomes que tem piada só porque sim...


E eu podia falar aqui de mil e uma coisas mais (desde ovelhas, vacas e tunnings) que até a mim me fazem questionar se o país existe mesmo. Mas o que tenho a dizer é que é um país FANTÁSTICO e é excelente cá viver. Isso não impede que às vezes nos dê vontade de rir com tamanha descontração, "está-se bem" e com o sentido de humor requintado das pessoas. 

Para terminar fica uma piada que acredito só quem por cá já passou (ou vive cá) a vai perceber, mas ri-me tanto que tenho de a partilhar:
"Why do New Zealanders only sleep with 5 people before their wedding day? Because they don't believe in six before marriage."

sexta-feira, outubro 17, 2014

Passaporte... a saga continua (em Auckland)...

Ao fim de três meses de espera pela BI (sim, aqueles antigos em papel) da Sofia (anteriormente já tivemos de fazer uma viagem a Wellington por causa disso, mas ao menos aproveitamos para passear) a saga em busca do passaporte dela continua.

Nota: Ainda não consigo conceber todas as burocracias necessárias para uma criança tirar um passaporte e o que se exige (e que não faz sentido nenhum, principalmente no que toca ao BI).

Assim ao fim desta espera de três meses (não para receber o BI -esse ainda não chegou- mas para alguém simplesmente processar o número em Lisboa) e depois de contactar várias vezes o consulado de Sydney de forma a fazerem pressão sobre Lisboa para "acelerarem" o processo a Sofia ficou com um número de BI.
Assim já podemos ir fazer uma nova viagem, desta vez para Auckland, de novo com a Sofia (e as malas todas) às costas, para lhe tirar uma fotografia numa daquelas máquinas de passaporte e... pronto... foi só isso... uma viagem de avião (e o seu custo) de duas horas (em cada direcção) para tirar uma foto e ainda pagar 145$ para isso.

Claro que agora, antes de termos o passaporte, vamos ter de... ESPERAR. Desta vez que Lisboa mande o passaporte. Isto porque não há impressoras neste lado do mundo e tem que se imprimir em Lisboa e mandar para cá.

Outra Nota: Começamos a tratar dos documentos da Sofia no dia a seguir a ela ter nascido. Ao fim de mais de 5 meses e meio a saga ainda não terminou. 
Continuo a escrever quando soubermos mais...

Claro que ao nosso bom estilo, tratamos de aproveitar a viagem e passear 3 dias em Auckland (afinal tive de tirar um dia de férias para lá ir). Como o facto de ter amigos um pouco por todo lado ajuda, ficamos assim em casa de uns amigos e conhecemos um poucos de Auckland (pelo menos não houve custos extra) e ainda deu para matar saudades. Ficam algumas memórias (na forma de fotos) para a posteridade de mais este capítulo de aventura de se obter um passaporte no outro lado do mundo.





p.s.: a foto com a bandeira de Portugal foi no Museu de Auckland... não resisti a tirar a foto quando lá vi a bandeira...

quarta-feira, outubro 08, 2014

Dois anos de Nova Zelândia...

Faz hoje exactamente dois anos que aterramos na Nova Zelândia...

Dois anos fantásticos. Viemos dois e neste momento somos três.
Não conhecíamos ninguém e neste momento temos vários amigos e pessoas com quem gostamos de partilhar o nosso tempo.

Pouco sabíamos do que se passava neste lado do mundo e neste momento consideramos isto casa.

Já tivemos visitas da família e amigos e nas nossas viagens já vamos ficando em casa de amigos que conhecemos cá.

Muito muda numa vida em dois anos, e muito mudou na nossa vida, mas foram dois anos fantásticos e experiências que aconteça o que acontecer nos engrandecem no nosso dia a dia.

Hoje, dois anos depois, ficam aqui alguns dos nossos momentos...








terça-feira, outubro 07, 2014

As visitas de amigos...

Julho, Agosto e Setembro foram os nossos meses a receber visitas vindas de Portugal.

Depois da visita da família vieram os amigos (e bons amigos). Apesar de já terem passado algumas semanas e de já todos terem regressado "à base" fica aqui o registo dos momentos que conseguimos proporcionar às nossas visitas (e elas a nós) que ainda aproveitaram o tempo por cá para conhecer o resto do país. 

Segundo o que dizem com um saldo muito positivo e recomendam a visita (já não é uma opinião tendenciosas como a nossa é), por isso pergunto quem serão os próximos a vir de Portugal. Será que vamos ter mais algum Orfeonista?

Esperámos que sim.
Nesta visita, como foi para aproveitar um fim de semana (e agora somos três), não deu para nos afastarmos muito de casa, mas ainda tivemos oportunidade para um pequeno almoço (com o toque especial que se vê nas fotos e ainda uma paisagem muita privilegiada) no Mt John (em Lake Tekapo), para um piquenique numa das milhares de mesas disponíveis para isso por todo o país e para ver as estrelas (de dia e de noite). Depois ainda deu para reencontrar a Portuguesa mais famosa de Lake Tekapo (não tenho fotos deste momento).

Fica o registo fotográfico para a posteridade... (ajuda a convencer as próximas visitas?)