terça-feira, fevereiro 18, 2014

Nova bandeira da Nova Zelândia?

Já escrevi aqui um pouco sobre bandeiras no hemisfério sul (e se calhar é interessante relembrar para esta mensagem) mas o que hoje vou escrever aqui, na Nova Zelândia, já começa a não ser novidade mas estou certo que para o resto do mundo ainda o é. Assim podem dizer que "o leram aqui em primeiro lugar", um dia que isto chegue aos noticiários.

Começa a haver um movimento para a Nova Zelândia mudar de bandeira. Este movimento é tal que o próprio Primeiro Ministro já expressou o seu interesse neste troca. A maior parte das sondagens indica que a população deseja a troca embora não havendo é consenso na escolha.

Mudar uma bandeira não é uma decisão que se faça de ânimo leve, de certo irá passar por um referendo e vai sempre ser um processo lento, mas acredito que na próxima década aconteça. Quem sabe nesta altura até terei "voto na matéria", mas para já algumas alternativas começam a mostrar-se como mais fortes.

Uma destas é a bandeira negra com o "silver fern" que representa os All Blacks, mas apesar de esta ter alguns apoiantes não me parece que o país vá optar por uma bandeira negra.

Ainda há diversas opções mais viradas ao lado Maori mas isso sinceramente não acho que estejam a representar verdadeiramente a população do país.

Sendo assim aquela que acredito a melhor alternativa até ao momento (e que acredito que vá ser qualquer coisa perto disto a futura bandeira, caso se confirme a troca) é esta abaixo em ponto maior. Tem todos os elementos da país, mantêm a Southern Cross, tem a cor dos Maori e a planta que mais representa o país (que por falar é bem bonita e diferente dos fetos que se vê em Portugal por exemplo).




Como curiosidade, há meio século atrás também o Canadá tinha uma bandeira similar com aquela da Nova Zelândia agora e optou pela troca usando para isso a vegetação que mais representava o país (Maple Tree) em detrimento do animal (o castor). Da mesma forma acredito que seja usado o "Silver Fern" em detrimento do Kiwi (que já está na bandeira das forças armadas). 





quarta-feira, fevereiro 05, 2014

Honestidade... Nível: Nova Zelândia... Parte II

Há cerca de um ano escrevi aqui acerca da honestidade na Nova Zelândia.
Mas a honestidade não é algo que se vê só num acto. A honestidade vê-se no conjunto de actos no dia a dia neste país.

Não digo com isto que é um país sem crime mas é um país que a palavra basta para as pessoas confiarem umas nas outras. Como em todos os lados, é claro que há casos de abuso dessa confiança mas esses rapidamente são tornados públicos e são tão poucos que não compensa um conjunto de regras só para os evitar.

Por exemplo, quando se tem uma acidente de automóvel as pessoas conversam ali o que aconteceu ficam com os contactos e ligam para os seus seguros, mas não há papeladas ou declarações assinadas por trinta e um para descrever o que aconteceu ou polícia. E isto é um exemplo de muitos.

Apesar de gostar de respirar este ambiente saudável de confiança, às vezes ainda fico surpreendido:
Há uns dias fiz uma encomenda de umas peças para montar uns móveis na casa. Parte já tinha sido entregue na semana passada mas faltavam umas portas. Hoje ao chegar a casa encontrei este cenário (foto). Aparentemente como não estava ninguém em casa, simplesmente deixaram as portas da minha encomenda encostadas ao portão da garagem nas traseiras e foram à sua vida. Nada de papeladas a garantir entrega ou prevenir que fossem roubadas. Quando chegasse a casa de certo veria as portas.


Se há alguma coisa que aqui não encontro é o "chico espertismo" que já vi em tantos lados (em Portugal há mesmo malta com Doutoramento no assunto). Aqui  a honestidade é tão natural e as pessoas tem tanto orgulho nela. Espero que isto não mude no futuro porque é uma sensação mesmo boa confiar nas pessoas...

Só lamento que no meu país não sinta o mesmo e quem mais desonesto é mais depressa chega ao topo. Ou se acham mais espertos que os outros e por isso tem direito a algo mais porque "o outro que tivesse atento ou que fosse esperto". Ainda há aqueles que prejudicam os outros mas acham que é para aprenderem a lição...

segunda-feira, fevereiro 03, 2014

Reviver o passado: Japão

Comecei a escrever este blog em 2005. O objectivo inicial era ter uma espécie de diário da minha grande aventura a viver sozinho nos Países Baixos. Desde aí serviu para de tudo um pouco, desde falar do primeiro trabalho, das diversas casas onde vivi... serviu para relatar os meus momentos. Mas houve um período de 3 anos nos quais, pelas mais diversas razões, não escrevi.
Durante esse tempo fizemos uma das viagens mais fantásticas das nossas vidas que acabou por nunca ficar aqui registada.

Hoje, ao ver um comentário no Facebook (sempre esse site, que aos poucos vou achando menos e menos interessante e que só o mantenho para saber "notícias da terra", manter vivo alguns contactos de amigos e publicar fotos de forma que consigo ser mais fácil partilhar - aqui é mais complicado), lembrei-me dessa viagem e resolvi pelo menos recordar aqui com algumas das fotos (muitas nunca as tive online).

Esta viagem foi o Japão. Visitamos principalmente quatro cidades: Tokyo, Kyoto, Kamakura e Nara. Curiosamente (e só soubemos mais tarde) as únicas quatro capitais do Império Japonês na sua história.

Adoro viajar mas sempre que vou a um sítio considero que não tenho necessidade de voltar porque ainda há muito mundo ainda por conhecer. O Japão é dos raros lugares que quero definitivamente voltar e o único país onde tirei várias fotos nas casas de banho.

Assim, aqui ficam algumas fotos destes momentos de 2009: